sábado, 8 de agosto de 2015

O nosso casamento #3

Lá fomos nós tirar fotografias para o jardim. Escolhemos a Quinta Magnólia, por ter um relvado bem verdinho e um arco trabalhado em ferro, com uma buganvília em volta. Super romântico! Mas o calor era imenso, não aguentamos muito tempo e o que mais queríamos era despachar aquilo. Fizemos as fotos que tínhamos para fazer e fomos embora com destino ao segundo spot fotográfico: a zona velha da cidade (que na verdade não pusemos lá os pés). Estivemos a dar umas voltas  de carro pelo centro do Funchal e foi sensacional. Turistas e não só (até os trolhas) acenavam-nos, desejavamm felicidades e fotografavam-nos, inclusive chegamos a parar uma vez para um selfie com um casal que estava a passear pela rua. Andamos nisto mais de meia hora. Conclusão: estava na hora de ir para o copo de água.
Saímos do nosso carro e entramos no autocarro. Os miúdos estavam eufóricos, de pé em cima dos bancos a cantar em coro: "É festa!  É festa!". Ganhei o dia!
Primeiro houve uma receção na entrada da fortaleza, onde brindamos com champanhe e trincamos macarrons de morango. À medida que as pessoas iam chegando e elogiavam a missa, o coro, a decoração da igreja, entre outras coisas, a nossa felicidade ia crescendo! Tudo estava a valer a pena...
Em seguida passamos ao pátio intermédio da fortaleza, com vista para a baía da cidade, para o cocktail. Foi lindo! Tiramos fotos em grupo, bebemos, brindamos, comemos, asneiramos... Já disse que bebemos!? Não podiamos estar mais felizes. Família e amigos reunidos num dia de sol, junto ao mar, num sítio mágico...
Passado uma hora / hora e meia fomos para a tenda onde foi servido o jantar. A nossa entrada foi acompanhada de uma parada de fogo, ao som da música da série The Game of Thrones (que toda as pessoas vêm, menos eu). Durante o jantar, o meu primo Gonçalo, de doze anos apenas, cantou uns fados acompanhado de dois guitarristas. O João e a Patrícia (do coro) anunciaram o casamento para o próximo ano e convidaram o André para padrinho. Mais uma festa!!
A comida estava deliciosa, mas realmente é praticamente impossível os noivos conseguirem comer sossegados. Levantamo-nos umas 1500 vezes, mas todas por boas causas.
Não vou esquecer a fofinha da Emília (filha de um casal amigo) que achou tanta piada à noiva e passou o jantar a tocar no meu vestido e a pedir para dançar comigo... Lá dançamos.
Acabado o jantar, regressamos todos ao pátio intermédio para o corte do bolo, que estava magnífico, e ao som dos Coldplay (Sky Full of Stars) foram acesos 100 sparkles. Mais um momento "Uau!"
Chegou à hora de abrir a dança e nós já trocavamos as pernas pela quantidade de álcool ingerida, mas até nem correu mal. O André ainda fez um ou dois lifts, inspirado pelo Dança com as Estrelas (quase um Pedro Teixeira).
Os nossos familiares e amigos são cá uns festeiros. Dava gosto de ver tudo a dançar.
No momento da liga o André comportou-se bem, não asneirou e foi rápido. Lá entre os rapazes combinaram que quem agarrava a liga era o meu irmão. E assim foi, mas a tarefa foi difícil porque um miúdo de 13 anos decidiu dar luta.
Em vez de atirar o meu bouquet às solteiras (que foram enganadas) entreguei-o à Rita (a namorada do meu irmão). Surpresa! Ela não estava nada à espera, ainda mais quando se virou para trás e o meu irmão estava de joelhos e com um anel na mão. Pois é, mais um  casamento para breve! Tirando 3 ou 4 cúmplices, ninguém sabia de nada e foi tão giro de se ver.
Depois de tantas emoções começou a hora louca! Foi mesmo para a desbunda: eram plumas, máscaras, óculos, acessórios para cabelo, apitos e muita risada. Podemos repetir!?
Fui ao ar por duas vezes (vi a minha vida a andar para trás), o André uma e o pai dele outra. Inesquecível!
A noite acabou com os resistentes de sempre, que por indicação do DJ fizeram um círculo connosco no centro e pronto... "MOCHE AOS NOIVOS!"
Tal como em todas as outras noites, fomos de táxi para a nossa casa. E tal como em todas as outras noites, o André fez amizade com o taxista.  Ahh e não dormi de vestido (nem foi preciso pedir ao taxista, o marido deu conta do recado).

Posso dizer que tive o casamento com que sempre sonhei. Faria tudo de novo e da mesma forma, sem mudar nada!
E o melhor marido do mundo quem tem sou eu...